segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

Elogios?! Dou só q.b....

Há coisas que sabemos, mas mesmo assim fazemos asneiras!

A Popotinha fazia desenhos e eu elogiava! Sabem qual foi o resultado?! Passou a não desenhar!

Vamos lá ver se vos sei explicar!

O elogio em si, não faz a diferença! Antes pelo contrário. A criança percebe que está a ser julgada, pois existe o seu oposto: 
"Que desenho tão lindo!" vr "Que desenho tão feio!". - Que sentimento inseguro!
"Foste tão linda a subir as escadas sozinha!", 
"És tão linda quando comes a sopa toda!", "Gosto tanto de ti quando te portas bem!" ("O meu pai pode gostar menos de mim???????")

Mas é importante elogiar!? Claro que sim! Mas o esforço! E é ainda mais importante RECONHECER! Aliás, é uma excelente ferramenta para evitar birras!!

No dicionário já dá para perceber a enorme diferença:
    Significado de Elogio
       s.m. Discurso em louvor de alguém: elogio académico.
       Louvor: fazer elogios a alguém.
    Significado de Reconhecimento
       s.m. Ato ou efeito de reconhecer: reconhecimento de um direito.
       Lembrança de um benefício, gratidão por ele: testemunhar reconhecimento.

O elogio vai directo ao Ego, estimulamos a auto-confiança da criança. O reconhecimento permite-nos trabalhar a auto-estima da criança.
Por exemplo: "Tu jogas mal à bola Filipa! Parece que a bola é quadrada para ti." Isto é o contrário do elogio. Eu sei que jogo mal à bola, mas não abala a minha auto-estima. Eu perceber que não consigo fazer uma actividade. Gosto de mim à mesma, independente das minhas conquistas ou comportamentos.

É importante que a criança perceba o "porquê" e o "como", consiga perceber a evolução dos seus feitos, das suas conquistas. É importante que entre em empatia e que perceba que sentimentos lhe transmite. É importante, ainda, que te mostres interessado, falando na primeira pessoa e descrevendo o que reparaste. Ah e repara nos pormenores!

Vamos a exemplos? Bora lá:

"Obrigada por teres arrumado a tua roupa. Assim deu-me tempo para ir dar banho à mana antes de jantar."
"A semana passada o papa ajudou-te a subir as escadas do escorrega. Hoje já conseguiste sozinha. Olha para trás e vê o que subiste."
"Neste desenho que fizeste reparei que colocaste o papa a sorrir. E aqui fizeste muitos círculos. O que significam?"
"Reparei que fizeste estes legos para fazeres uma fortaleza para as tuas bonecas! E agora o que vais fazer"~
"Enquanto me ajudavas a estender a roupa, reparei que me davas as molas amarelas primeiro, depois deste-me as azuis e por fim as vermelhas. Já percebi que sabes as cores e ainda me ajudaste imenso. Conheces mais cores?"
"Hoje vi-te jogar. Parece que te estavas a divertir tanto... :)"
"Hoje vestiste-te sozinha! Senti-me feliz porque tu percebeste que consegues e ajudou-me muito de manhã, que estava atrasada. Obrigada"

Incentiva o teu filho a falar, em vez de terminares a conversa com um elogio. 

Dares incentivos não verbais também é óptimo: um sorriso quando o teu filho está a estudar; uma festinha quando está a ler...

Hum... percebes a diferença?!

Eu também gosto que o meu marido me reconheça: "Conseguiste fazer o jantar enquanto eu tratei das miúdas. Agora temos tempo de vir aqui para o sofá namorar!" versus "Fizeste um bom um bom jantar. (Já nem me consigo levantar! Trata tu das miúdas!- pensa ele)"

Boas conexões!

2 comentários:

  1. Muito bom Filipa. Obrigada! De fato a forma como falamos altera o comportamento/sentimentos deles. Muito Bom.

    ResponderEliminar